Queda de Cabelo Feminino. Saiba tudo sobre.

fergiehairlossa.jpgÉ natural uma perda capilar entre 50 e 70 fios diários. Para as mulheres esse número aumenta para até 100 fios. Como dito também, essa perda ocorre normalmente quando se lava e/ou penteia o cabelo, além de durante o sono, devido ao movimento da cabeça com o travesseiro.

E ao contrário do que se pensa, de acordo com o chefe do setor de dermatologia no Hospital dos Servidores do Estado, o médico Marcio Rutowitsch, por volta de 30% das mulheres com 50 anos ou mais têm algum tipo e grau de calvície. É necessária constante atenção à queda de cabelo feminina, porque ao contrário da masculina, geralmente não causa calvície completa com perda total dos fios.

Causas da queda de cabelo feminino

No geral, as causas para a queda de cabelo são variadas podendo ser fatores genéticos, hormonais, emocionais, doenças auto imunes, alisamento etc. No entanto, para as mulheres, os mais comuns são outros.

Mudanças hormonais – no entanto, para elas, causadas pela menstruação, menopausa, gravidez etc -; doenças como a anemia, hipotireoidismo e hipertireoidismo; estresse; também os fatores genéticos etc são os mais comuns. Outros que podem ser citados são inflamações no couro cabeludo, a exposição em excesso ao sol ou causas externas (até mesmo uso de Ombre Hair). Essas últimas têm como grandes agentes a poluição ou a fumaça de cigarros, ambas sendo de caráter cumulativo.

Felizmente, para os distúrbios endócrinos citados e estresse, o problema se resolve de forma rápida. Normalmente, as doenças são sanadas naturalmente ou com uma correção que pode demorar até seis meses.

Tipos de queda de cabelo nas mulheres

Comumente os fios femininos ficam mais finos a partir dos 30 anos, mas  outras formas de perda de cabelo feminino também podem acontecer. São elas:

  • Queda de cabelo difusa

Esse é o tipo mais comum de queda de cabelo feminina. É característico por ter uma interrupção do ciclo de crescimento capilar afetando todo o couro cabeludo. Isso acontece porque a raiz do cabelo não está fazendo a sua função natural devido à falta de diversos elementos fundamentais aos processos metabólicos. A raiz acaba diminuindo e a fase de crescimento vai sendo reduzida até ser interrompida.

É uma ação por reação, mas seus efeitos são geralmente imperceptíveis durante muitos meses. São alguns deles: um desequilíbrio entre o cabelo em crescimento e o em queda; a entrada na fase de repouso muito anterior ao tempo normal, antecipando também a queda; diminuição da formação de células devido a baixa atividade metabólica; queda de fios maior do que os que os previstos para crescimento etc.

  • Alopécia Androgênica (Calvície Hereditária)

Essa atinge 20% das mulheres segundo a Academia Americana de Dermatologia, nos Estados Unidos. Os homens muita das vezes começam a perder cabelo muito cedo, já na juventude, o que ocorre diferentemente para o sexo oposto. Com as mulheres a queda hereditária normalmente ocorre exclusivamente após a menopausa.

Nesse tipo de calvície, fios da linha da testa continuam intactos e a mulher não tem nenhuma entrada, o que é um fato comum entre os homens. No entanto, o cabelo no alto e na parte de trás da cabeça vai ficando cada vez mais ralo.

A grande quantidade de hormônios masculinos, como testosterona, – geralmente em alta taxa por causa de problemas nas glândulas suprarrenal e hipófise ou no ovário – é um dos fatores que podem contribuir para o agravamento da queda de cabelo feminina hereditária. Isso porque as raízes do cabelo feminino tem grande sensibilidade ao hormônio dihidrotestosterona, ou DHT, fazendo com que elas diminuam ou simplesmente parem de crescer.

  • Eflúvio Telógeno

Esse tipo de queda de cabelo feminino é característico por ter uma diminuição do número de fios na cabeça inteira. Podendo ser aguda ou crônica, normalmente é causada por anemias – essas, por sua vez, devido à deficiências nutricionais ou menstruações intensas -, dengue, febres altas, pós parto, dietas radicais etc.

  • Alopécia Areata

Nesse tipo de queda os fios caem num formato circular produzindo áreas isoladas de calvície, além de delimitadas.

Como tratar a queda de cabelo feminino?

Para poder controlar a calvície, o melhor é sempre procurar um médico o mais rápido possível, sendo a possibilidade de melhora feita com cirurgia ou medicamentos.

Como todos sabemos, cada pessoa reage de forma diferente aos medicamentos devido às suas características pessoais e clínicas. Portanto, a medicação é diferente para cada um, mas o comum é que seja algo de longo prazo durando de 6 a 8 meses.

Outro fato é que os tratamentos usados contra a calvície masculina não se aplicam às mulheres, visto que os seus métodos agem diretamente nos hormônios. Como dito anteriormente, tudo depende do da paciente, mas para dermatologistas geralmente recomenda-se medicamentos por via tópica ou oral que ajam contra a ação dos hormônios masculinos.

Para o tipo mais comum de queda de cabelo feminina, a difusa, o tratamento tem altas chances de dar bons resultados. A terapia funciona com o objetivo de reativar o metabolismo capilar formando assim novas células, aptas a funcionar perfeitamente, na raiz. Obviamente, o ponto de partida do processo também deve sempre ser identificado e se possível tratado. A partir daí, o cabelo volta à sua fase de crescimento. Um suplemento utilizado recentemente é o de fortificação de cabelos e unhas, o Nova Repair.

Nesse caso, o tratamento é geralmente feito com o Pantogar. Explicado melhor nos artigo que fala sobre os remédios, sua combinação altamente concentrada exclusivamente por substâncias ativas, acaba por reativar o funcionamento natural da raiz capilar. Sendo assim, corrige o ciclo de crescimento que anteriormente tinha sido interrompido. O remédio além de estimular o crescimento de um cabelo saudável e novo, acaba com a queda.

Quanto ao tipo de queda de cabelo feminino hereditária, também pode ser tratada com medicamentos fora do comum que podem ser aplicados diretamente na área afetada. (Como Follixin) Ainda não se conhece como funciona o modo de ação desses tipos de preparados, mas acredita-se que os bons efeitos devem ser atribuídos à dilatação dos vasos sanguíneos.

Os dermatologistas também geralmente recomendam Pantogar como produto para a terapia combinada com a queda hereditária. Isso deve-se ao fato de que o altamente concentrado complexo de substâncias ativas fortifica e ajuda o funcionamento natural da raiz capilar.

Comments are closed.